Na última semana, anunciei por aqui que meu divórcio com o Jornalismo. Após idas e vindas desse amor bandido — por vezes, abusivo — terminamos.

Claro que como ex, Jornalismo ainda faz puco-puco no meu coração quando nos esbarramos. Isso nunca vai mudar. Mas seguimos em frente.

Venho para contar a parte boa da história: o que acontece após o divórcio…

Ponto 1. O enterro

Entrei no luto. Uma parte de mim foi embora, então é óbvio que há sofrimento. Marília Mendonça e Reginaldo Rossi são a prova. A gente chora.

Apelidei o ex de Falecido. Mas meus amigos começaram a me dizer que o Jornalismo tinha morrido sim mas eu não tive coragem de enterrar. Estava ali apodrecendo mal cheiroso.

Era preciso um ritual de passagem.

Ajudei minha mãe a montar um negócio online chamado Delícia Pronta. Ela é chef de cozinha e passou a vender pratos prontos congelados gourmet.

Fiz minha primeira grande venda. Percebi novas possibilidades. Enterrei o Falecido.

Ponto 2. O auto-cuidado

Durante o divórcio, meus amigos, a gente fica um caco. É vestir moletom, tomar sorvete e ter piranha no cabelo.

Mas no dia de assinar os papéis, o primeiro movimento é correr para um salão de beleza. “Pode passar o cartão…”

Faz matrícula na academia, passa no shopping, vê a lista de amigos solteiros.

No meu caso, fiz um site para mim, comecei novos cursos, acompanhei gente interessante na internet, coloquei um projeto digital no ar (@vidascontadas).

Percebi claramente que deixar de ser só a jornalista para ser a Verônica faz mais sentido. Esse auto-cuidado ainda me levaria além.

Ponto 3. A liberdade

E levou.

Liberdade é vencer as próprias batalhas mentais.

O medo, a preguiça, a falta de fé nos mantém presos em relacionamentos abusivos com o trabalho.

Quando decidi enfrentar esses vícios e criar o meu curso entendi o que era estar livre. Livre com disciplina, livre com serviço ao próximo, livre com responsabilidade.

Há o lado bom em tudo, né? Até no divórcio.


vemachado
vemachado

Verônica Machado foi repórter da Câmara dos Deputados e do Correio Braziliense. É jornalista e trabalha há 7 anos com Marketing Digital. Empreende na loja de pratos congelados Delícia Pronta, no projeto de histórias Vidas Contadas e no projeto de educação Jornalista 3.0. Neste último, oferece oito cursos digitais para comunicadores. Lidera uma comunidade de 500 jornalistas engajados em colocar projetos digitais no ar. Em quatro anos, foram 90 ideias concretizadas no Brasil e no exterior. Tem o próprio método de mentoria online, uma agência de mídias sociais e o clube de assinatura de conteúdo, o Clube de Realizadores. Como posso te ajudar?